domingo, 18 de setembro de 2011

Enfim, religião ou Deus, o que é mais importante?

"A minha religião, ela te leva pro Céu", "A minha religião é a certa", "Na minha Igreja, todo mundo vai ser arrebatado" e blá blá blá. Para né? 
Eu vejo todos os dias pessoas falando o quão boas são as suas religiões, e quão erradas são as dos outros. E religião é algo que aumenta o número cada dia mais, tanto que tem Igreja (no caso Evangélica, porque católica é simplesmente católica), que você não pode dizer que pessoa é presbiteriana, quadrangular ou algo assim, porque é uma igreja evangélica formada do "nada" (digo, claro que é formada de alguma coisa, de alguma crença ou objetivo, o que eu quis dizer é que não tem um segmento específico). Digo, dizer que é evangélico é algo muito relativo, porque são muitos segmentos, e algumas igrejas não tem nenhum deles, tem apenas o próprio nome. 
E me responda você, voltando ao assunto religião em geral, como saber qual religião é a certa? Se as Bíblias foram escritas por mãos humanas, as religiões foram criadas por homens, como ter certeza de que é assim mesmo que é? 
E podem me dizer o que for, eu sempre vou argumentar com a seguinte frase: "A primeira religião de todas foi o Judaísmo, certo? Depois, quando Jesus Cristo veio à Terra, surgiu o Catolicismo, e só após mais de mil anos, graças à Lutero, que surgiram as outras religiões, que hoje se espalham e se proliferam pelo mundo (desculpa o uso da palavra, que parece tratar-se de uma bactéria, mas eu não achei palavra melhor). 
E se em todas as Bíblias e outros livros com outros nomes que tem a mesma funcionalidade, ou a mesma finalidade, tem algo diferente, como saber qual é exatamente a certa?
E mais uma coisa: porque discutirem tanto por religião, como discutem por futebol, por exemplo, se o principal de todas elas, católica, evangélica, espírita, judaica, islã e todas as outras, é o mesmo? Deus! Sim gente, porque se as religiões foram criadas, o propósito delas foi propagar para todos os seres humanos a fé e crença em alguém divino que nos protege, independente de chamarem-O de Deus, Alá, Messias, Cristo, Jesus, Cosmo, ou qualquer outro nome que quiserem dar.
Claro que, como todos tem livre arbítrio, há pessoas que não acreditam em Deus. Mas esse texto não é sobre crer ou não em Deus, é sobre como a religião cria guerras que, se for pra analisar, não deveriam existir. Aliás, seu Deus, assim como o meu, prega a paz, o amor, o respeito, não é? Sua religião não quer que você siga o que Jesus ensinou? E foi isso que ele ensinou! Não a guerrear por uma coisa tão tola quanto "qual religião é a certa".
Não que eu conheça todas as religiões, mas o que muda, em todas elas, ou na maioria, pelo menos, é o final. Uns acreditam que ficam no corpo, ou no "Mundo dos Mortos", até que Jesus volte e arrebate-os para junto do Pai. Outros acreditam que vão direto para o Céu, para o Inferno ou para o Purgatório. Outros acreditam que vão para o Umbral ou para as Colônias, até estarem pronto para reencarnarem (e por favor, não vamos debater sobre reencarnação aqui, depois falamos disso). E sinceramente? O que importa o final? Quer dizer, pra que se preocupar com qual vai ser o seu final se for pra esquecer de viver o agora? Pra que dizer que o mundo vai acabar em breve ou que existe ou não reencarnação (assunto polêmico em rodas de conversas com pessoas de diferentes religiões), se for pra deixar de cumprir sua missão, ou fazer o certo, realizar o que Deus te mandou pra fazer, ou o que Ele quer que você faça? Esqueça um pouco a religião e foque-se na sua fé nele. Ela é mais importante do que "quantas vezes você vai à Igreja". 
Quer dizer, de quê adianta ir à Igrejas, centros, ou onde você for, se não for pra rezar, orar, conversar com Deus? Ou pelo menos ouvir a palavra Dele, escrita nos Evangelhos. Se você preferir, Deus não vai se incomodar que você ore em casa, Ele quer que você converse com Ele, peça, agradeça, fale de seus problemas e tudo mais o que quiser, independente de onde fizer isso!
Então, se sua religião está te levando para guerras, eu te aconselho a abandoná-la. Não abandonar à Deus, às suas crenças, à sua fé, mas abandonar essa coisa criada pelo homem que, nem sempre, faz bem para a verdadeira crendice naquele Pai que está lá em cima olhando por nós, olhando por mim enquanto escrevo, tirando essa inspiração sei lá de onde, olhando por você enquanto lê esse texto, olhando por todas as outras pessoas do mundo, e fazendo o que puder para ajudá-las. 
E lembre-se: Deus só te dá "a cruz" que sabe que você é capaz de carregar. Então, se isso está acontecendo com você, independente de você achar que é pelo que fez em outras vidas ou não, é para que você aprenda, para que evolua, para que se torne mais forte, a cada dia mais e mais. E para ver quem vai estar ao seu lado, não nas horas felizes, mas também nas tristes. Mas não alguém que esteja rindo de você nas horas tristes e com inveja nas felizes, você precisa e Deus quer que você tenha alguém que esteja feliz com você nos momentos felizes e te apoiando, te ajudando a levantar nas horas tristes. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário