sábado, 24 de setembro de 2011

Conto: "O assassino da corveta" Parte II

"E a resposta não chegava. Já deveria ser quase meia noite daquela segunda feira. Daqui a pouco mais um corpo seria encontrado. E ele sabia onde. 
Sem pensar muito, foi até o lugar onde o cachorro foi encontrado morto na ultima semana. Mal iluminado, sujo, com um cheiro fétido de algo apodrecido. Chovia. Encostou-se num poste de iluminação que chiava, porém, nenhuma luz provinha de seu topo. Olhava para os lados, tenso. Sua respiração estava curta, acelerada.
Ouviu um carro acelerando, as luzes do farol indicavam que ele estava à poucos metros, e se aproximando. Olhou para o relógio, faltavam poucos minutos para a meia noite. O carro freou na esquina; ele tentou se esconder. Veria o assassino, diria "Preso em nome da justiça!", prenderia-o e ficaria tudo resolvido. 
A porta do carro preto se abriu. Dela, saiu um homem, trinta e tantos anos, com poucas rugas pelo rosto e quase nenhum fio de cabelo branco. Usava um óculos quadrado. Mas esse homem estava sozinho. 
"Droga!", pensou o policial. 
O homem que saiu do carro parecia um farejador e em poucos instantes soube que o policial estava escondido, espreitando-o.
- Boa noite - ele disse, soltando uma gargalhada rouca e pendendo sua cabeça para trás. - então, você me descobriu...
O policial saiu das sombras onde estava e foi seguindo em direção ao homem, agora com as mãos na cabeça, fazendo uma cena. Parou na frente do mesmo, e ficou encarando-o.
- Demorou um pouco - o jovem parecia zombar do velho - mas entendo que seu raciocínio já esteja um pouco mais devagar por causa da idade...
O policial nada dizia, apenas analisava os movimentos e expressões do homem que o olhava fixamente nos olhos. Graças ao farol do carro, que estava aceso, ele podia ver os olhos do homem. Injetados de sangue, parecendo olhos de cobra, seu olhar parecia zombeteiro. 
- Está sozinho? - o policial procurava alguma mulher, inteira, ferida, dentro ou fora do carro... nada. 
- Vim te encontrar - o homem riu novamente, irritando o outro. 
- Me encontrar? - o policial disse, começando a preocupar-se. Passou as mãos nos bolsos, havia esquecido sua arma. 
- Você parecia querer me conhecer.... mas tenho que te informar que ninguém que me conhece sobrevive. - o homem pegou a arma escondida no bolso, e antes que o velho pudesse fazer alguma coisa, dois tiros foram disparados em sua direção; um na cabeça e outro no peito."

Nenhum comentário:

Postar um comentário