sábado, 10 de setembro de 2011

Aspas: "Beleza, beleza, beleza..."

Ouço e vejo direto essa disputa por beleza. Quem é o mais bonito? Quem é o mais carismático? Quem é o "colírio"? Tudo bem, aparência é algo importante, porque ninguém vai te olhar e saber como você é, como age e o que pensa. As pessoas se aproximam pela aparência. E é por isso que eu tento sempre expôr minha personalidade em minha aparência, para que a pessoa já perceba um pouco sobre mim e decida se quer vir mesmo falar.
Mas afinal, aparência é tudo isso mesmo? Vemos tanta gente bonita hoje em dia que tem respostas piores que as da London Tipton (personagem da série Zack e Cody, da Disney, interpretada por Brenda Song). E vemos pessoas aparentemente bonitas, confiáveis e agradáveis que na verdade são cobras, apenas esperando para dar o bote. Elas te atraem, te fazem se tornar amiga, contar os segredos e então... te traem, como se você não fosse nada.

E ainda, hoje em dia, as pessoas se preocupam tanto com beleza. Bem, não é ao certo beleza, porque beleza é algo muito vago, muito relativo; o que é bonito para mim pode ser horrível para você, e vice-e-versa. 
Mas o que as pessoas querem, ao meu ponto de vista, é agradar. Não agradar alguém em especial, mas agradar a sociedade para ser aceita, e desejada. Sim, homens e mulheres, adolescentes e adultos, o ser humano em geral tem essa necessidade de ser desejado. E para isso, a sociedade estipula um padrão de beleza nada agradável, onde magreza é o principal. 
E não, magreza não é mais importante que sua saúde! Magreza não é mais importante do que fazer todas as refeições diárias certas e não "botar tudo pra fora" depois. Magreza não vem antes da sua vida. 
Quantas pessoas, nessa busca infindável por beleza, acabam por ficarem doentes? E não são só essas doenças da moda, anorexia e bulimia. As pessoas também acabam ficando depressivas, por não conseguirem ficar magras e desejáveis. 
E eu entendo isso, porque também procuro essa magreza. E é algo até normal, já que a sociedade faz tanta questão disso para que nós sejamos consideradas bonitas. Queremos fazer parte da sociedade, mesmo que digamos que queremos ser diferentes, porque diferença tem um limite, ninguém é igual a ninguém, agora ser único em tudo é algo que, além de ser impossível, nos faria muito mal, se conseguíssemos. Porque se fossemos os únicos a gostar de azul, numa sociedade onde todos amam o amarelo, com quem compartilhar esse gosto? E imagina que o único assunto fosse sim a cor. Uma hora, cansaria. 
Então, por favor, faço esse apelo para que parem de se preocupar tanto com a beleza, fazendo listas e listas, ofendendo, agredindo e magoando, se mal-tratando e sofrendo por causa dela, e deem mais atenção à algo mais importante, que a nossa Divindade Maior (independente do nome que você O chame) lhes deu: A VIDA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário